Monday 10 December 2018
Home      All news      Contact us      English
dnoticias - 21 days ago

Malária mata menos, mas resiste e exige combate revigorado segundo a OMS

As mortes provocadas pela malária em todo o mundo voltaram a diminuir em 2017, mas a redução de casos que se registava desde o início da década “estagnou”, anunciou a Organização Mundial de Saúde (OMS), num relatório.Segundo a OMS, mais de 90% dos casos e das vítimas mortais estão no continente africano e a maioria são crianças, o mesmo padrão de estudos anuais anteriores.“Ninguém deveria morrer de malária”, uma doença que pode ser evitada e tratada, mas a luta “está a estagnar, colocando em risco anos de trabalho, investimento e sucesso na redução” do número de pessoas afetadas, refere o diretor geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, no relatório anual sobre a situação da malária no mundo.O documento lançado hoje numa cerimónia pública na capital moçambicana, Maputo, anuncia uma estratégia “mais agressiva” de ataque à doença, procurando uma maior mobilização da classe política dos países mais afetados - entre os quais, Moçambique.“Quando os países dão prioridade à ação contra a malária, vemos os resultados em vidas que são salvas e em redução de casos”, acrescenta Matshidiso Moeti, diretor regional da OMS para África.De acordo com o estudo daquela agência das Nações Unidas, estima-se que a malária tenha matado 435.000 pessoas em 2017 (61% das quais crianças com menos de cinco anos), menos 3,5% que em 2016 e uma redução em cerca de um quarto do número de mortes calculado em 2010 (607.000).Há menos mortes, mas o ritmo de redução da doença que se registava desde 2010, desapareceu de 2015 em diante, nota a organização. A OMS aponta para cerca de 219 milhões de casos de malária registados em 2017, face a 217 milhões em 2016, um aumento ligeiro, pelo segundo ano consecutivo, que fica dentro das margens de erro das estimativas, e que a organização classifica como “estabilização”.Nos anos anteriores, “o número de pessoas a contrair a doença à escala global vinha caindo de forma consistente, de 239 milhões em 2010 até 214 milhões em 2015”, acrescenta.Moçambique é o único país lusófono que está no grupo de 11 países em que se registaram 70% de casos (151 milhões) e mortes (274 mil) em 2017 e, por isso, escolhido pela OMS para aplicar a nova estratégia de combate à doença.O grupo é composto pela Índia e 10 países de África: Burkina Faso, Camarões, República Democrática do Congo, Gana, Mali, Níger, Nigéria, Uganda e Tanzânia - além de Moçambique.A atual evolução mundial dos casos “não permite alcançar os objetivos de redução da doença em 40% até 2020”, nota a OMS, que espera que, com medidas revigoradas e maior financiamento, ainda seja possível alcançar aquela meta.Para a atingir, “os investimentos em malária devem alcançar pelo menos 6,6 mil milhões de dólares anuais até 2020 - mais do que o dobro da quantidade disponível hoje”, refere a organização, considerando que o “financiamento doméstico (em cada país) é crucial”.Noutro aspeto, o documento estima que metade dos grupos de risco em África ainda durma sem rede mosquiteira impregnada com inseticida contra o mosquito que transmite a malária - uma rede que o documento classifica como a “principal ferramenta” para prevenir a doença.Do lado positivo, a OMS destaca que o número de países próximos da erradicação continua a crescer, subindo para 46 em 2017, contra 37 em 2010.Portugal não consta do relatório, uma vez que é classificado como um território livre de malária, tal como acontece no resto da Europa.

Related news

Latest News
Hashtags:   

Malária

 | 

menos

 | 

resiste

 | 

exige

 | 

combate

 | 

revigorado

 | 

segundo

 | 
Most Popular (6 hours)

Most Popular (24 hours)

Most Popular (a week)

Sources