Monday 21 January 2019
Home      All news      Contact us      English
dnoticias - 12 days ago

Objectivo dos assaltantes no caso de Tancos era munições

O coronel Joaquim Vieira Esperança, ex-comandante do regimento de infantaria de Tomar, disse ontem acreditar que o objetivo dos assaltantes dos paióis de Tancos, em 2017, era roubar as munições 9 mm. “Em minha opinião pessoal, o objetivo [do furto] eram as munições de 9 mm”, afirmou, até com base “em conversas com camaradas”, o coronel que comandou entre 2013 e 2016 um dos regimentos responsáveis pelo patrulhamento dos paióis, numa audição na comissão parlamentar de inquérito ao furto de material militar em Tancos.Sem deixar de considerar “muito grave” o furto do material dos paióis de Tancos, nomeadamente por causa das munições de 9 mm, o coronel, na reserva, relativizou a perigosidade dos restantes armamentos, referindo que algum dele foi considerado obsoleto e que a “quantidade de explosivos” furtado não justifica a alteração do nível de alerta do país. Uma das missões era controlar as entradas na base e a vigilância dos locais, mas os soldados do seu regimento não tinham acesso ao interior dos 18 paióis existentes em Tancos, explicou.A segurança dos paióis era feita por militares cedidos pelo regimento de Tomar, Brigada de Reação Rápida e Brigada Mecanizada.O furto do material militar, entre granadas, explosivos e munições, dos paióis de Tancos foi noticiado em 29 de junho de 2017.O caso do furto de armas em Tancos ganhou importantes desenvolvimentos em 2018, tendo sido detidos, numa operação do Ministério Público e da Polícia Judiciária, sete militares da Polícia Judiciária Militar (PJM) e da GNR, suspeitos de terem forjado a recuperação do material em conivência com o presumível autor do furto.Entre os detidos está o diretor da PJM e um civil (que já foi militar), principal suspeito da prática do furto, encontrando-se ambos em prisão preventiva, num caso que levou à demissão de Azeredo Lopes do cargo de ministro da Defesa e cujas implicações políticas levaram à criação de uma comissão parlamentar de inquérito.Em setembro, após a investigação do Ministério Público à recuperação do material furtado, designada “Operação Húbris”, que levou às detenções, foi anunciada pelo CDS-PP a constituição de comissão de inquérito parlamentar, aprovada apenas com a abstenção do PCP e do PEV.

Related news

Latest News
Hashtags:   

Objectivo

 | 

assaltantes

 | 

Tancos

 | 

munições

 | 
Most Popular (6 hours)

Most Popular (24 hours)

Most Popular (a week)

Sources